• Alongamento

    Trabalhando a Flexibilidade

    O alongamento é uma manobra terapêutica utilizada para aumentar o comprimento (alongar) de tecidos moles que estejam encurtados (KISNER, 1998), podendo ser definido também como técnica utilizada para aumentar a extensibilidade músculotendinosa e do tecido conjuntivo periarticular, de tal modo contribuindo para aumentar a flexibilidade articular (HALL; BRODY, 2001).

    Flexibilizar-se é buscar a amplitude do jogo articular nos limites mecanicos permitidos (em funçao da forma do osso e de suas superficies articulares, propriedades das capsulas e dos ligamentos, do grau de elasticidade dos musculos em questao). Aumenta-se, assim, a mobilidade da articulação, facilitando entao os atos da vida profissional, cotidiana ou esportiva, os gestos estando no tempo e no espaço bem adaptados às necessidades (Waymel e Choque, 2011).

    Segundo Anderson & Burke, 1991; Corbin, 1984; Rash & Burke, 1986, para agluns autores flexibilidade pode ser definida como “amplitude de movimento” AM ou ADM), podendo ser avaliada em cada articulação ou grupo de articulações. (Gizele Monteiro, 2006).


    Segundo Krivickas, 2001, alguns fatores intereferam na flexibilidade, como:

    Especificidade muscular w articular

    Idade

    Sexo

    Raça

    Temperatura

    Atividade reflexa

    Processo de doença do sistema nervoso central

    Força do músculo agonista (flexibilidade dinâmica*)


    flexibilidade dinâmica ela vem de uma flexibilidade ativa ou passiva.

    Ativa é designada com a maior amplitude possivel de movimento que um individuo pode realizar por causa da contração dos musculos agonistas e do alongamento dos antagonistas, que ocorre paralelamente.

    Passiva é designada como a AM possível em um articulação que o individuo pode alcançar sob ação de “forças externas”, como parceiro, aparelhos, ação da gravidade, entre outros. (Gizele Monteiro, 2006).

    Segundo Alter, 1999; Achour Junior, 1994, os melhores resultados em treinamento de flexibilidade sao verificados em crianças e adolescentes, mas programas adequados na idade adulta têm melhorado a flexibilidade, independente da condição do desenvolvimento na infância ou do valor atribuido à genètica, o que não descaracteriza o início da prática de alongamento na idade infantil em programas escolares, escolinhas de esportes, entre outros. Além do período excelente de acréscimo na flexibilidade, os programas realizados na infância poderão manter-se com maior facilidade na vida adulta. (Gizele Monteiro 2006).

    Para manter uma boa postura e os músculos flexíveis, é importante fazer diariamente uma série de exercícios de alongamento.


    ALGUNS DOS BENEFÍCIOS DO ALONGAMENTO:

    Favorece a circulação sanguínea e com isso as trocas gasosas. Os vasos capilares (4.000/mm3 em certos músculos), presentes em todas as fibras musculares, são muito bem irrigados durante o alongamento. (Waymel e Choque, 2011).

    Ajuda a combater a degeneração funcional que aparece com a idade. Entre crianças de 3 anos, que pode se gabar de morder seu dedo do pé, e o aposentado, que, às vezes, não consegue mais amarrar seus sapatos, decorre de uma longa história de vida, geradora de tensões, de bloqueios, de imobilidade causada por limitações ou por vontade. As diferentes btécnicas de alongamento ( e de fortalecimento muscular) permitem que os músculos conservem suas propriedades biológicas (tonicidade, ecitabilidade e elasticidade) e sobretudo que mantenham a função muscular, a mobilidade articular e a solicitação do sistema nervoso, bases de um aparelho locomotor, agindo assim em favor da manutenção da autonomia e da continuação da vida relacional. (Waymel e Choque, 2011).

    O alongamento estático é benéfico na prevenção de lesões porque ocorre uma deformação plástica no músculo, pela diminuição da viscosidade, suportando melhor um movimento amplo e potente. O músculo pouco alongado pode ultrapassar o limite funcional da extensão, estando predisposto a uma lesão. (Gizele Monteiro, 2006).

    Alívio na tensão e no estresse, o estímulo irá provocar , no organismo, uma resposta (biológica) idêntica e esteriotipada (Bensabat, 1987), portanto estresse é resposta de adaptação das demandas chamadas de “fatores do estresse ou agentes estressores”. (Gizele Monteiro, 2006).

    Equilibrar o trabalho realizado no fortalecimento muscular. Flexibilidade e força são duas capacidades biológicas indissociáveis que influem sobre a eficiência da ação motora. Portanto, é indispensávelalongar, pois um músculo unicamente em força é encurtado. Por outro lado, isso permite equilibrar as capacidades de força de um grupo muscular e as capacidades de extensão de outro grupo para evitar problemas funcionais. (Waymel e Choque, 2011).

    Despertar a propiocepção. Os dados neurofisiológicos nos indicam que as informações captadas pelos proprioceptores (do aparelho vestibular) são repercutidas até as bases neurofisiológicas da consciência. Assim, os alongamentos, ao permitir notar e memorizar cada parte do corpo, intervêm sobre o esquema corporal, proporcionando uma consciência mais aguçada das sensações que informam sobre a atitude, os movimentos e o equilibrio. (Waymel e Choque, 2011).

    Equilibrar o tônus. Os métodos de alongamento são extremamente indicados (assim como as tecnicas de relaxamento e massagem) para harmonizar a atividade tônica. (Waymel e Choque, 2011).

    Desenvolve a concentração. A execução de movimentos de maneira lenta, a observação seletiva de uma ou outra parte do corpo, do ritmo respiratório, favorecem a vigilância (nível de ativação), depis a concentração, isto é, uma atenção intensa. (Waymel e Choque, 2011).

    Favorece a recuperação. Durante os esforçoes, mesmo quando não são violentos, os músculos tendem a se encurtam. Portanto, é necessário alongá-los para fazê-los retornar ao seu comprimento inicial. Durante os alongamentos, o tecido fibroso, inextensível (mas deformável), é comprimido, e essa ação permitirá que o sangue venoso, carregado de toxinas, seja liberado mais rapidamente do músculo em que se encontra. Esse processo pode ainda ser intensificado com a prátic de respirações profundas. (Waymel e Choque, 2011).


    O que é certo e errado durante a sequencia de exercicios de alongamento

    Certo

    Respirar suavemente

    Alongar os músculos de forma lenta e calma

    Procurar manter uma boa postura

    Manter cada alongamento por 20 segundos.


    Errado

    Fazer os exercícios apressadamente

    Alongar os músculos de forma abrupta ou dando solavancos

    Alongar até sentir dor

    Prender a respiração enquanto alonga


Sobre

Sou educadora física, formada há dez anos e atuo na área há 12 anos, pós graduada em treinamento desportivo e certificada em pilates.

Trabalhei em vários campos dentro da Educação física dando aulas de ginastica, alongamento, pilates, treinamento funcional, montando e supervisionando treinos de musculação.

Como Personal Trainner, atendo diversas faixas etárias, com um trabalho voltado as especificidades de cada indivíduo, auxiliando na busca de seus resultados e objetivos.

Indicações

Produzido por Rodney Nunes - (11)95239-0619